Busque aqui o conteúdo no blog ou na Web!!!!

Vídeos

Loading...

terça-feira, 20 de novembro de 2012

PELA ASSINATURA DO PEDIDO DE URGÊNCIA!!!


ATENÇÃO SERVIDORES. ATENÇÃO CABO FRIO!

                                                      (Banner criado pela Professora Denize)


O PRAZO FINAL PARA A APROVAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL EXPIRA EM 30 DE NOVEMBRO . ASSIM SENDO , A ÚNICA MANEIRA DE APROVÁ-LA SERÁ MEDIANTE REQUERIMENTO DE URGÊNCIA! E SABEMOS QUE SE A LOA NÃO FOR VOTADA, ADEUS REAJUSTE DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS!
COMO NÃO PODEMOS CONTAR COM A BOA VONTADE DOS NOSSOS "NOBRES" EDIS, MESMO QUE VOCÊ NÃO SEJA FUNCIONÁRIO DA PMCF, COMPARTILHE ESSA POSTAGEM! O FUNCIONALISMO MUNICIPAL MERECE RESPEITO! MOBILIZE-SE!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Psicografado para os cidadãos de Cabo Frio


Psicografia:
Diante da confusão política causada pelo desejo da população o FIM DO MUNDO não acontecerá na data prevista na cidade de Cabo Frio. Esperaremos a decisão do TSE. O evento poderá ser adiado para Janeiro e talvez coincida com  o Cabo Folia(o que para muita gente equivale ao mesmo).
                                                                                                                  Divina Justiça

Se houver nova eleição, lá estará o Cláudio Leitão!

O ex-candidato a prefeito pelo PSOL de Cabo Frio, Cláudio Leitão  acabou de declarar  com entusiasmo no programa POLÍTIKA (Canal 10), que se o TSE decidir a celeuma política da cidade convocando novas eleições, ele concorrerá novamente. Durante quase duas horas Leitão respondeu às perguntas do jornalista Walmor de Freitas, um dos poucos que franquearam a palavra ao candidato(dado o comprometimento da imprensa marrom com o governo local). Com a coragem  e a autenticidade de sempre, o presidente do PSOL falou sobre vários assuntos, desde o planejamento urbanístico da cidade ao despreparo e subserviência política da maioria dos vereadores(passados, presentes e futuros) da cidade ao executivo.
Leitão aproveitou para reiterar que a postura do PSOL continuará a mesma: de posicionamento ao lado da população  e na contramão dos interesses privados dos megainvestidores. Afirmou também, que não acredita que candidato algum seja donos dos votos que recebeu. 
Então, no caso de novas eleições , tudo pode acontecer e aproveitando o ensejo: Nada, nada deve parecer impossível de Mudar!






CICLO DA VIDA:IMPERDÍVEL!!!

domingo, 11 de novembro de 2012

PSOL cresce nas eleições 2012







Aqui na cidade de Cabo Frio muita gente acompanhou a campanha do PSOL que deu ao Cláudio Leitão 5.300 votos ideológicos , 8 vezes mais do que as eleições de 2008.  
Uma das nossas maiores dificuldade foi tornar eficiente uma campanha sem dinheiro para investir em visibilidade. A campanha foi  quase artesanal, mas o desgaste físico e emocional por ela provocado foi recompensado pelo crescimento do partido e pela certeza que tal crescimento se deu sem  promiscuidade politica.
Outra dificuldade enfrentada, foi no aspecto cultural , uma vez que enfrentamos o ceticismo de uma parcela da população, totalmente desacreditada  na política representativa e que por ignorância da postura do PSOL, optou pelo voto útil, anulando assim a sua possibilidade de contribuir para uma verdadeira reforma administrativa na cidade de Cabo Frio. Sem falar nos posicionamentos movidos puramente pelos interesses pessoais via política clientelista empregada de forma muito competente aqui no município. 
De qualquer forma, o que importa é o crescimento que se deu de forma direta evocando a democracia no seu estado profundo, sem o intermédio de subterfúgios políticos e alianças de caráter duvidoso. 
Leia abaixo um artigo sobre o crescimento do PSOL em âmbito nacional.


"O Partido Socialismo e Liberdade cresceu nas eleições municipais de 2012 em relação ao pleito anterior, em 2008. Foram eleitos 49 vereadores e um prefeito. O PSOL ainda disputa o segundo turno em Belém (PA) e Macapá (AP).
O primeiro prefeito pelo PSOL é Gelsimar Gonzaga, eleito com 44,26% na cidade de Itaocara, município do Noroeste Fluminense. Ex-cortador de cana, Gelsimar tornou-se dirigente sindical nos anos 1980 e ajudou na fundação do PT, naquela década, e do PSOL, em 2005. “O objetivo é se tornar exemplo do que o partido pode vir a fazer em outras cidades no futuro. Somos uma cidade pequena, mas é exatamente por isso que podemos nos tornar exemplo de gestão transparente e responsável para todo o país”, afirmou em entrevistas à imprensa.
Na capital Belém, o PSOL participará do segundo turno das eleições. Edmilson Rodrigues obteve 32,58% da preferência do eleitorado e disputará o cargo de prefeito contra Zenaldo Coutinho (PSDB), que obteve 30,67%.
Em Macapá, a disputa acontece entre Clécio Luís, votado por 27,88% do eleitorado, e Roberto Góes (PDT), que conseguiu 40,16% dos votos.
O segundo turno das eleições municipais acontece no dia 28 de outubro.
Para o presidente nacional do PSOL, deputado Ivan Valente, o partido cresceu em relação ao processo municipal de 2008, saiu fortalecido e aos poucos se firma como uma alternativa de esquerda em todo o país. “Estamos satisfeitos com o resultado final do PSOL. Mesmo com 1 minuto na TV, chegamos em primeiro lugar na disputa em Belém, com Edmilson, e vamos para o segundo turno em Macapá, com Clécio, enfrentando um candidato subordinado à ficha suja. No Rio, Marcelo Freixo polarizou o processo com Paes e acabamos elegendo uma bancada igual ao do PT na capital. Sem falar que o PSOL agora se implantou nas Câmaras das principais capitais e de cidades importantes como Campinas e Niterói”.
Câmara de Vereadores
O PSOL elegeu 49 vereadores pelo interior do Brasil e em importantes capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Salvador, Fortaleza, Natal, Maceió, Goiânia, Belém e Macapá.
Em ordem alfabética por estados, a relação dos eleitos:
AL – Maceió: Heloísa Helena
AL – Maceió: Guilherme Soares
AP – Itaubal: Diene Bulhões
AP – Macapá: André Lima
AP – Macapá: Professor Madeiro
AP – Porto Grande: Professor Glauber
BA – Aurelino Leal: Professor Marcos
BA – Aurelino Leal: Flávia da Cascata
BA – Salvador: Hilton Coelho
CE – Fortaleza: João Alfredo
CE – Fortaleza: Toinha Rocha
GO – Goiânia: Elias Vaz
MA – Pindaré-Mirim: José Victor Magalhães Cruz
MA – Trizidela do Vale: Dalcileno da Silva
MG – Antônio Dias: Japão
MG – Caratinga: Gilson Pena
MG – Santo Antônio do retiro: Diva
MG – Santo Antônio do Retiro: Zé Paquito
MG – São José da Varginha: Nelson Nonato
MG – Sete Lagoas: Ismael Soares
MG – Timóteo: Matinho
PA – Belém: Marinor Brito
PA – Belém: Meg Barros
PA – Belém Fernando Carneiro
PA – Belém: Dr. Chiquinho
PA – Agarapé-Açu: Professor Anderson
PA – Portel: Ronaldo Alves
RJ – Itaocara: Fernando Arcenio
RJ – Niterói: Paulo Eduardo
RJ – Niterói: Renatinho
RJ – Niterói: Henrique Vieira
RJ – Rio de Janeiro: Paulo Pinheiro
RJ – Rio de Janeiro: Eliomar Coelho
RJ – Rio de Janeiro: Renato Cinco
RJ – Rio de Janeiro: Jefferson Moura
RN – Natal: Sandro Pimentel
RN – Natal: Marcos do PSOL
RS – Porto Alegre: Pedro Ruas
RS – Porto Alegre: Fernanda Melchionna
RS – Viamão: Augustão
SC – Florianópolis: Afrânio Boppré
SP – Altinópolis: Zé do Carmo
SP – Campinas: Paulo Bufalo
SP – Capivari: Dr. André
SP – Jardinópolis: Paulo Dentista
SP – Presidente Alves: Eloísa Cabeleireira
SP – São Paulo: Toninho Vespoli
SP – Vinhedo: Rodrigo Paixão
SP – Vinhedo: Valdir Barreto"


Disponível em : http://psol50.org.br/blog/2012/10/10/psol-cresce-nas-eleicoes-2012/

sábado, 3 de novembro de 2012

Não consegui dar aula. Então me calei para escutar!


Nessa semana senti a necessidade de ouvir os alunos de uma turma da  6ª fase da EJA do Leaquim. Nada de História oficial. 
Para incentivá-los, ofereci 01ponto para que me dissessem por que estavam ali,citando o passado e sos planos para  o futuro.Os mais velhos contataram as suas histórias de vida fazendo com que o caos de costume desaparecesse. Muito estavam  sem estudar há décadas:Trabalho, filhos na juventude, pais intolerantes, a velha história, que pode se tornar a história dos jovens alunos que ali estavam escutando. Muitos apenas pela bolsa família se fazem presentes.Não acreditam mais na escola. Assim como alguns colegas professores, compartilham seu descrédito na sala de aula.
Um aluno afirmou que tenta, mas não consegue prestar atenção. Tem 16 anos é tido como indisciplinado debochado e viciado. Se estivesse em uma escola particular já teria um laudo e  sua rebeldia diante do fracasso escolar, compreendida e perdoada.Saí da sala emocionado com a profundidade das coisas que eu ouvi .Preocupado com as responsabilidades e as expectativas que ainda rondam o professor. Saí, sobretudo, indignado com a corrupção do sistema educacional e a cumplicidade de tantos pais de outras gerações, que se aliaram silenciosamente ao "Não tem jeito não !" que hoje eu presencio e lamento.

Preparando-se para o ENEM

http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/11/01/enem-baixe-guia-com-dicas-para-se-preparar-para-o-dia-da-prova.htm

Para nos ajudar: Só Jesus e um caminhão de "ADEVOGADOS!"


Na sanha por dinheiro fácil, cabofrienses caem no conto do vigário, ops, do pastor!


http://g1.globo.com/rj/serra-lagos-norte/bom-dia-rio/videos/t/edicoes/v/30-pessoas-registram-ocorrencia-na-delegacia-de-cabo-frio-reclamando-de-golpe-em-internet/2221452/

Um olhar sociológico sobre Búzios


Lidar com a Educação em Búzios é uma experiência fascinante.Como professor de História, me perco entre conjecturas e verdades relativas a cerca do cotidiano buziano.
A vocação turística do município produz um quadro social riquíssimo em elementos que dialogam e contrastam entre si, conferindo ao lugar um exotismo social ímpar. A exposição direta dos moradores de Búzios às “emanações” culturais de várias partes do Brasil e do mundo, promove o encontro constante e inusitado entre realidades diversas, onde a tradição e o deslocamento identitário atuam intensamente.
Mas e a cultura local ? E o seu pano de fundo nacional que nos identifica enquanto povo? Como se insere neste contexto? De acordo com o teórico cultural Stuart Hall “À medida que as culturais nacionais tornam-se mais expostas a influências externas, é difícil conservar as identidades culturais intactas ou impedir que elas se tornem enfraquecidas através do bombardeamento e da infiltração cultural”(Hall, 1996). Assim sendo, diante da nossa estrutural tendência ao estrangeirismo, é compreensível que os elementos culturais exógenos sejam facilmente assimilados. Contudo devemos considerar, para não incorrer em erro, que tal assimilação varia de acordo com a localização social do indivíduo; não por capacidade cognitiva, mas por uma questão de identificação de valores e até mesmo de consumo.
De acordo com Lacan, a nossa identidade é formada ao longo dos anos, resultando da nossa convivência com o meio em que estamos inseridos. A partir daí podemos esperar que identidade cultural, que seria o resultado da intercomunicação dos valores individuais compartilhados, também possua esta flexibilidade.
O deslocamento da identidade buziana tradiconal, entendendo-a como aquela subordinada unicamente ao contexto brasileiro, tem produzido fenômenos sociais interessantes no ideário local. Diante do “novo”, que chega a Búzios, seja através do turismo/migração, seja através da mídia, a população local apresenta comportamentos antagônicos, porém previsíveis pelos teóricos que estudam a concepção de “aldeia global” a partir da qual percebem o planeta.
Podemos perceber que as reações variam entre a aceitação passiva/irreflexiva e a organização de entidades de resgate e defesa das minorias bem como das tradições culturais nacionais. A previsibilidade de tais reflexos, justifica-se pelos interesses pessoais ou dos grupos sociais locais. A preservação, o esquecimento ou a convivência dos elementos culturais distintos é uma questão política, mas não de política partidária e sim daquela concepção de política que a torna inerente a todas as relações humanas.
Não podemos deixar de considerar a força da presença da mídia enquanto agente formador cultural de opinião, ditando regras comportamentais aos desavisados, solapando as resistências, destruindo e reconstruindo verdades que aceitamos de bom grado, muitas vezes gratos, por termos quem pense por nós. No processo de preservação da memória, a mídia ocupa uma posição de destaque pelo seu poder de alcance, no entanto, caso seja o seu objetivo, seu poder desagregador também pode ser descomunal.
Com certeza todo processo de preservação cultural serpenteia por entre as instituições civis cada qual com as suas especificidades e contribuições para a construção de um legado futuro daquilo que chamamos respeitosamente de passado. Neste quadro a escola merece destaque, uma vez que é um mecanismo de reprodução (quiçá de produção) ideológica de grande poder de persuasão, embora sua eficácia esteja relacionada à formação profissional e pessoal dos seus agentes. De qualquer modo, a extensão da abordagem da história local em consonância com os PCNs, é fundamental para que possamos pensar a escola como um pólo difusor de cidadania, principalmente na Armação dos Búzios, para que de posse da nossa identidade cultural, possamos pensar na construção dos nossos “citizens of the world”.