Busque aqui o conteúdo no blog ou na Web!!!!

Vídeos

Loading...

sábado, 3 de novembro de 2012

Um olhar sociológico sobre Búzios


Lidar com a Educação em Búzios é uma experiência fascinante.Como professor de História, me perco entre conjecturas e verdades relativas a cerca do cotidiano buziano.
A vocação turística do município produz um quadro social riquíssimo em elementos que dialogam e contrastam entre si, conferindo ao lugar um exotismo social ímpar. A exposição direta dos moradores de Búzios às “emanações” culturais de várias partes do Brasil e do mundo, promove o encontro constante e inusitado entre realidades diversas, onde a tradição e o deslocamento identitário atuam intensamente.
Mas e a cultura local ? E o seu pano de fundo nacional que nos identifica enquanto povo? Como se insere neste contexto? De acordo com o teórico cultural Stuart Hall “À medida que as culturais nacionais tornam-se mais expostas a influências externas, é difícil conservar as identidades culturais intactas ou impedir que elas se tornem enfraquecidas através do bombardeamento e da infiltração cultural”(Hall, 1996). Assim sendo, diante da nossa estrutural tendência ao estrangeirismo, é compreensível que os elementos culturais exógenos sejam facilmente assimilados. Contudo devemos considerar, para não incorrer em erro, que tal assimilação varia de acordo com a localização social do indivíduo; não por capacidade cognitiva, mas por uma questão de identificação de valores e até mesmo de consumo.
De acordo com Lacan, a nossa identidade é formada ao longo dos anos, resultando da nossa convivência com o meio em que estamos inseridos. A partir daí podemos esperar que identidade cultural, que seria o resultado da intercomunicação dos valores individuais compartilhados, também possua esta flexibilidade.
O deslocamento da identidade buziana tradiconal, entendendo-a como aquela subordinada unicamente ao contexto brasileiro, tem produzido fenômenos sociais interessantes no ideário local. Diante do “novo”, que chega a Búzios, seja através do turismo/migração, seja através da mídia, a população local apresenta comportamentos antagônicos, porém previsíveis pelos teóricos que estudam a concepção de “aldeia global” a partir da qual percebem o planeta.
Podemos perceber que as reações variam entre a aceitação passiva/irreflexiva e a organização de entidades de resgate e defesa das minorias bem como das tradições culturais nacionais. A previsibilidade de tais reflexos, justifica-se pelos interesses pessoais ou dos grupos sociais locais. A preservação, o esquecimento ou a convivência dos elementos culturais distintos é uma questão política, mas não de política partidária e sim daquela concepção de política que a torna inerente a todas as relações humanas.
Não podemos deixar de considerar a força da presença da mídia enquanto agente formador cultural de opinião, ditando regras comportamentais aos desavisados, solapando as resistências, destruindo e reconstruindo verdades que aceitamos de bom grado, muitas vezes gratos, por termos quem pense por nós. No processo de preservação da memória, a mídia ocupa uma posição de destaque pelo seu poder de alcance, no entanto, caso seja o seu objetivo, seu poder desagregador também pode ser descomunal.
Com certeza todo processo de preservação cultural serpenteia por entre as instituições civis cada qual com as suas especificidades e contribuições para a construção de um legado futuro daquilo que chamamos respeitosamente de passado. Neste quadro a escola merece destaque, uma vez que é um mecanismo de reprodução (quiçá de produção) ideológica de grande poder de persuasão, embora sua eficácia esteja relacionada à formação profissional e pessoal dos seus agentes. De qualquer modo, a extensão da abordagem da história local em consonância com os PCNs, é fundamental para que possamos pensar a escola como um pólo difusor de cidadania, principalmente na Armação dos Búzios, para que de posse da nossa identidade cultural, possamos pensar na construção dos nossos “citizens of the world”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário